Todos os posts de Pablo Tadeu

Pablo Tadeu

Sobre Pablo Tadeu

Cristão, casado, formado em Publicidade e Propaganda, tem 31 anos e ama cinema, futebol, filosofia e viagens.

Salmo 139

Sua mãe soube de você umas 24 horas antes de me contar. Ela ficou muito ansiosa quando as expectativas se transformaram em realidade. Ela soube de você na quinta-feira, dia 01 de junho. Na madrugada daquele dia ela ficou muito ansiosa. Não conseguia dormir, pensando em você.  Acho que ela queria muito me contar de você, mas ela também queria me fazer uma surpresa, envolvendo seus avós e seus tios. A surpresa foi muito emocionante. Posso te mostrar umas fotos depois. Você vai adorar!

A sua mãe é uma mulher muito especial, e você vai saber disto muito em breve. Então, foi nesta ansiedade de 24 horas que uma coisa muito legal aconteceu. Nosso Pai conversou com ela através de um salmo. Foi o salmo 139, especificamente. Esse nosso Pai é muito especial. Muito mesmo. Mas não se preocupe com detalhes agora pois no tempo certo eu vou te contar tudo que sei sobre salmos e tudo que sei sobre nosso Pai.

Quando me casei com sua mãe, eu prometi isto para ela. Prometi que faria tudo que pudesse para estarmos todos juntos quando voltássemos para casa. Você faz parte desta promessa, e mesmo sendo apenas do tamanho de um grão de gergelim, você já mudou nossas vidas e já é muito amado.  E é este amor que nos unirá para sempre!

Pode parecer estranho eu dizer que um dia vamos voltar para casa sendo que você mal chegou por aqui. Mas não se preocupe sobre isto agora também. Só saiba que você virá a este mundo como um ser muito amado, mas este mundo não é o lugar onde ficaremos para sempre. No tempo certo, te mostrarei como é viver como um peregrino. Seu papai tem tentado viver assim, e tudo que ele aprendeu ele vai te ensinar.

Mas voltando aquele salmo 139 que eu te falei, foi muito marcante para a sua mãe ter lido este trecho justamente na madrugada do dia 01 de junho. Eu vou ler um trechinho dele para você ver como ele é legal:

Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe. Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Tuas obras são maravilhosas! Disso tenho plena certeza. Meus ossos não estavam escondidos de ti quando em secreto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra. Os teus olhos viram o meu embrião; todos os dias determinados para mim foram escritos no teu livro antes de qualquer deles existir.
Salmos 139:13-16

Esta é a primeira coisa que quero te ensinar sobre nosso Pai: ele já te conhece! Na verdade, ele está tecendo cada pedacinho seu neste exato momento! E eu e sua mãe sabemos que ele vai fazer um excelente trabalho, pois tudo que Ele faz é sempre sensacional. Sua mãe ficou muito mais calma quando leu isto pois confiou que nosso Pai está cuidando de tudo! Aliás, eu e sua mãe já falamos muito de você com nosso Pai. Isto se chama oração, e vou te ensinar também!

E sabe do que é mais legal? Nosso Pai te conhece melhor que o seu papai aqui, e até mesmo melhor que sua mamãe! Isto é outro mistério que quero te ensinar! Temos muito a aprender um com outro, e tenho muita coisa para te mostrar. Mas não se preocupe com isto ainda! Por enquanto, aproveita bem este tempinho aí que você está passando na barriga da sua mãe, pois logo a gente se encontra!

Um beijo do seu papai,

Neruda

Afinal de contas, o que é a Graça?

Um dos conceitos mais sublimes do cristianismo é “Graça”. Em diversos sermões, pregações, em livros, em conversas, em comentários bíblicos e em todo o universo cristão a chamada Graça está sempre presente, sendo analisada, discutida ou servindo de base para outros estudos. Aqui mesmo no Outras Fronteiras nós encontraremos diversos textos que versam sobre este tema. Mas será que nós sabemos de fato o que é a Graça?

Para entendermos melhor o que é a Graça, vamos pegar os versículos 8 e 9 da carta aos Efésios, em seu capítulo 2. Foi o mesmo texto utilizado por nosso amigo Gabriel em seu texto do dia 12 , aqui no blog , e você pode ler o post aqui .  Ela diz assim:

Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie.

Podemos, de cara, fazer três afirmações sobre a graça. Primeiro: A Graça é que nos salva. Segundo: Ela não é fruto de nenhuma atitude do ser humano, nem pode ser por nós produzida ou conduzida. E terceiro: Ela é um Dom de Deus.

Percebemos então que a Graça não é um conceito singular. Ela é plural, e é justamente na sua pluralidade que Deus revela um pouco mais de seu caráter. A Graça é um presente que recebemos de nosso Pai, de formar imerecida. Este presente, além de conduzir para a salvação, nos permite viver de uma forma que agrade à Deus.

“Por isso, tendo recebido um reino que não pode ser abalado, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus agradavelmente, com reverência e piedade.”  Hb 12:28

Percebem como a Graça é sublime? Deus, sem olhar nosso merecimento, nos chama para perto de Dele. Além de nos chamar, ele nos fornece tudo que precisamos para atender ao Seu chamado e tudo que precisamos para viver como homens que foram chamados. Isto é a Graça! É um dom sublime de um Deus que quer viver com seus filhos. Como seus filhos não apresentam em si mesmos absolutamente nenhuma condição de atender ao Seu chamado, o próprio Deus nos fornece estas condições.

Desta forma podemos dizer que a Graça é a forma incontestável que Deus usa, diariamente, para nos mostrar Seu amor. Por esta Graça nós somos chamados, por esta Graça nós devemos viver e por esta Graça seremos salvos.

Você já aceitou a Graça em sua vida? Ou ainda tenta individualmente ser “bom o suficiente” para viver com Deus?

Um abraço!

Sacerdócio e Idolatria

Por diversas vezes me pego questionando Deus sobre suas decisões. Faço isso como se meu juízo fosse bom o suficiente para tanto, mas convenhamos que é realmente complicado entender algumas situações ao longo da história do povo hebreu, e também da nossa própria história. Se meu último embate mental comigo mesmo e com as escrituras pudesse ser traduzida em romance, ficaria assim:

” – É sério que Deus colocou Arão como sumo-sacerdote?! Como pode!!

– É sério, uai! Ele foi o primeiro sumo-sacerdote israelita. Nosso Pai tinha todos os motivos do mundo para fazer isto. Ele é bem inteligente por sinal. E nunca erra.

– Eu sei disso. Mas não foi este mesmo Arão o que forjou um bezerro de ouro e incentivou a idolatria! Como Deus pode permitir que um idólatra se torne sumo-sacerdote?

– Primeiro, você deveria parar de julgar Arão com tanta rapidez. E depois, Deus ordenou o idólatra Arão pelo mesmo motivo que Ele permite que um idólatra como você tenha seu ministério e tenha até uma relação com Ele: Misericórdia e Jesus!

– Essa doeu hein! Mas você tem razão. Devo ser tão idólatra quanto Arão. A diferença é que meus bezerros não são de ouro. Preciso parar de fabricá-los. Ainda bem que temos as escrituras, Cristo para nos justificar, e um Deus disposto ao perdão! “

Só um Deus de amor e perdão pode usar pessoas como Arão, como eu e como você.

E por falar em você, eu me pergunto: quando você vai parar de fabricar bezerros de ouro e se comportar como um servo de Deus?

Um abraço.

Sobre o medo, o pecado e a coragem

Houve um tempo em que eu pensava que o cristianismo me livraria de meus desejos obscuros e pecaminosos. Eu imaginava que ficaria livre de minhas inclinações carnais e que minha luta contra o pecado se tornaria mais simplificada. Imaginava que viver com Cristo fosse se tornar algo como um passeio de barco por águas suaves. Eu não poderia estar mais enganado!

Percebo que parte deste engano esteja presente nos principais críticos do cristianismo. O mundo espera que o cristão seja um ser humano alheio às tentações carnais, e este mesmo mundo se apressa em condenar e criticar os fundamentos de nossa crença quando o cristão se mostra tentado e vitimado pelas mesmas armadilhas de um não-crente. Para o mundo, quando o cristão se mostra humano e pecador, o que fica sob suspeita é sempre Cristo e sua filosofia, e nunca o cristão e sua falta de força para a luta.

É como pensar na coragem, por exemplo. A coragem não é a falta de medo. Muito pelo contrário. O medo é o principal combustível da coragem. Se não houver medo, não existe a possibilidade da coragem surgir, pois coragem é principalmente a motivação para seguir adiante mesmo que tudo indique que devemos parar e nos render ao que quer que nos cause medo.  Logo, quanto mais medo, mais coragem é necessário para seguir adiante.

Neste paralelo, o pecado se parece com o medo. Na vida do cristão sempre haverá luta contra o medo. Sempre seremos tentados por nossa carne, e até o fim de nossa vida devemos lutar contra nossos desejos escuros. Eles estarão logo ali , espreitando e aguardando a melhor hora de nos fazer tropeçar.

O que devemos procurar, até o fim de nossas vidas, é a coragem! Coragem para dizer não quando nossa carne grita sim. Coragem para travar uma batalha dura e árdua contra nós mesmos, todos os dias! Não devemos esperar que milagrosamente nossos desejos se tornem santos e que nossa batalha seja simplificada pela falta de inclinação. Quem espera que isto aconteça corre o risco de se frustar. E corre o risco de cair. O que precisamos fazer é fortalecer nossa vontade, nosso espírito e nosso entendimento. Nos encher de disposição para a luta, e fazer do medo nossa motivação para ter ainda mais coragem.

Irmãos, nós não fomos chamados para sermos destemidos. Fomos chamados para sermos corajosos! Nós não somos imunes às tentações do pecado, nós devemos é lutar contra este  tipo de desejo, corajosamente, diariamente e arduamente.

Que Deus fortaleça nossos ombros.

Um abraço!

O Poder de Jesus

Era uma mãe zelosa e cuidadosa. Amava seu filho de forma verdadeira. Se esforçava para deixá-lo confortável com a idéia de Deus e tentava explicar Jesus da forma como uma criança de 5 anos poderia entender. Em uma ocasião, o diálogo:

– Mamãe, não gosto mais de Jesus!
– Por que meu filho?! – perguntou a preocupada mãe.
– Porque todo mundo diz que Jesus tem poder! Então ele tem mais poder do que eu! – respondeu o garoto pensando em poderes semelhantes aos dos Cavaleiros do Zodíaco.
– É, mas veja bem! Jesus divide o poder dele com seus amiguinhos! Então se você for amigo de Jesus, vai ter o poder dele também! – respondeu a mãe, tendo certeza que conseguiu sair desta pequena enrascada infantil  dando ainda mais motivos para o filho ser amigo de Cristo.

Alguns segundos de silêncio, até que a implacável lógica pueril ataca renovo:

– Mãe? Você é amiga de Jesus?
– Claro que sim! – respondeu a orgulhosa mamãe. – Somos muito amigos!!
– Então me mostra o poder que Jesus te deu! – respondeu o curioso e já interessado garotinho.

Depois de engolir a seco e de segurar o sorriso diante da “irrefutável lógica” de seu pequeno filho, a mãe, talvez por inspiração divina, responde:

– Ele me deu o poder de ter um filho lindo, inteligente e curioso como você!

Ao ouvir a explicação o garoto abre um grande sorriso, e contente com o elogio, volta para seus brinquedos, querendo dividir alguns poderes com seu recém novo-admitido amigo Jesus.

– Jesus é legal! – pensou.

E quem vai dizer que o dom da vida não é o maior milagre de Deus?

A segurança de Babel

O ínicio da civilização humana não é digno de orgulho. Ao contrário, é bem vergonhosa. Nós tivemos a incrível capacidade de fazer Deus se arrepender de sua criação antes mesmo de chegarmos a Genesis 7. O que se segue é amplamente conhecido: Noé, dilúvio, arca, animais em pares e o primeiro fim do mundo. Era de se esperar que o homem tomasse vergonha na cara, pelo menos durante os primeiros anos da segunda chance que recebemos, mas se formos ver com cuidado a história do pós-diluvio, novamente sentiremos vergonha.

Vejamos: Noé sai da arca com seus filhos Sem, Cam e Jafé. Durante algum tempo eles habitam as montanhas onde a arca parou, ali pelos lados do monte Ararate. Depois, saíram para as planícies para o inicio do repovoamento do mundo, segundo ordem do próprio Deus. Chamaram aquele primeiro lugar onde habitaram de Sinar.

Por ali mesmo em Sinar ficaram os filhos de Noé, e para chegar onde queremos, vamos dar uma olhada na genealogia de Cam, o filho ingrato que viu a nudez de seu pai. Cam teve diversos filhos, e um deles se chamava Cuxe. Cuxe, por sua vez, também gerou vários filhos, e um deles se chamava Ninrode. Segundo o verso 8 do capitulo 9 livro de Genesis, Ninrode começou a ser poderoso na terra, tido como grande caçador. Vemos ainda que Ninrode começou seu reinado em Babel, Ereque, Acade e Calné, todas estas cidades localizadas na planície de Sinar.

Seguindo adiante na Escritura vemos em Genesis 11 que o homem iniciou a construção de uma grande cidade e de uma torre, a famosa torre de Babel. Basicamente, estas construções tinham dois propósitos: Tocar o cume do céu e criar uma identidade para o povo, afim de que estes habitantes não fossem espalhados. Foi novamente aqui, na segunda geração pós-diluvio, que recomeçamos a desafiar a Deus.

E de que forma o homem desafiava a Deus? Primeiro, o mandamento de se espalhar e repovoar a terra era claro para o homem. O homem não deveria se reunir novamente e criar uma grande civilização, pelo menos não naquele momento. Fundamentalmente, Deus queria que o homem repovoasse toda a terra. Segundo, qual o motivo para criar uma torre tão alta, que tocasse o cume do céu? Flávio Josefo, reconhecido historiador romano, em seu livro “ A História do Povo Hebreu” , revela um possível motivo ao afirmar que, verdadeiramente, os homens de Sinar temiam um novo dilúvio. A torre seria uma alternativa humana caso Deus voltasse atrás em Sua Palavra e decidisse novamente exterminar a raça humana. Era uma apólice de seguro. Ainda segundo Josefo, Ninrode foi o grande incentivador e idealizador deste projeto, conduzindo esta rebelião contra Deus em busca de poder e glória.

Me pergunto quantas vezes nós mesmos não construímos torres de Babel em nossas vidas? Quantas vezes, assim como Ninrode, temos descrença na bondade e nas promessas de Deus, e tentamos criar com mãos humanas a segurança que deveríamos buscar apenas em Deus. Quantas vezes nós tentamos evitar a “morte pelo dilúvio” acumulando dinheiro, bens materiais e todo tipo de segurança meramente secular? Quantas vezes já duvidamos que a providencia divina que nos cobre é mais do que suficiente para nos garantir um futuro repleto do amor de Deus e tentamos substituir esta fé por uma casa maior e mais alta, que nos impeça de perecer nos dilúvios do mundo? Quantes vezes não desafiamos a Deus, erguendo torres em nossa vida com o claro objetivo de dizer a  Ele que nós temos o controle de nossa existência, e que nós queremos decidir quando viver e quando morrer.

Ninrode construi a dele. Uma torre alta e que tocava o cume do céu. E você?  Construiu a sua? Qual é a sua Babel?

Um abraço!

ps- A Babilônia, tida como a mãe de todas as abominações do mundo, nasceu no lugar onde a torre de Babel foi erguida. Mas isto é assunto para outro post!

Sobre Eclesiastes, Max Gehringer e Conselhos Profissionais

Existe um áudio muito interessante sendo divulgado pelas redes sociais. Ele é de autoria do Max Gheringer, especialista em carreiras e gestão empresarial.  Achei o conteúdo interessante, então resolvi transcrevê-lo. Ele é um comentário feito para rádio CBN.

” Existem muitos gurus que sabem dar respostas criativas às grandes questões sobre o mercado de trabalho. Aqui vai um pequeno resumo da entrevista com o famoso Reynold Remh.

Pergunto: Ainda é possível ser feliz num mundo tão competitivo? 

Resposta: Quanto mais conhecimento conseguimos acumular, mais entendemos que ainda falta muito para aprendermos. É por isso que sofremos. Trabalhar em excesso é como perseguir o vento. A felicidade só existe para quem souber aproveitar agora os frutos do seu trabalho.

Segunda pergunta: O profissional do futuro será um individualista?

Resposta: Pelo contrário. O azar será de quem ficar sozinho, porque se cair, não terá ninguém para ajudá lo a levantar-se.

Terceira pergunta: Que conselho o Sr dá aos jovens que estão entrando no mercado de trabalho?

Resposta: É melhor ser criticado pelos sábios do que ser elogiado pelos insensatos. Elogios vazios são como gravetos atirados em uma fogueira.

Quarta pergunta: E para os funcionários que tem Chefes centralizadores e perversos?

Reposta: Muitas vezes os justos são tratados pela cartilha dos injustos, mas isso passa. Por mais poderoso que alguém pareça ser, essa pessoa ainda será incapaz de dominar a própria respiração.

Última pergunta: O que é exatamente sucesso?

Resposta: É o sono gostoso. Se a fartura do rico não o deixa dormir, ele estará acumulando, ao mesmo tempo, sua riqueza e sua desgraça.

Belas e sábias respostas. Eu só queria me desculpar pelo fato de que não existe nenhum Reynold Remhn. Eu o inventei. Todas as respostas, embora extremamente atuais, foram retiradas de um livro escrito a 2.300 anos: o ECLESIASTES, do Velho Testamento. Mas, se eu digo isso logo no começo, muita gente, talvez, nem tivesse interesse em continuar ouvindo.
Max Gheringer para a CBN.” 

Voce teria perdido o interesse em ouvir se soubesse que era baseado na Bíblia? E o fato de ter sido utilizado por um especialista da área confere mais validade ao texto?

Pense nisto!

Um abraço!

Profetas Modernos

Um problema cada vez mais comum no meio cristão é a terceirização da relação com Deus. Muitos cristãos deixam que sua relação com Deus seja intermediada por sacerdotes, presbíteros e até  pelos modernos e autointitulados “Profetas de Deus”, deixando de lado a leitura e a oração para se engajarem fortemente apenas em cultos, seminários e palestras. Basicamente, o cristão deixa de procurar a Deus diretamente, deixa de se relacionar com intimidade com nosso Criador e passa a ouvir e dar crédito apenas às experiências que outros cristãos, normalmente de posição de liderança,  têm com Deus.

Vejamos o que Moisés acha disto:

Quando o profeta falar em nome do Senhor, e essa palavra não se cumprir, nem suceder assim; esta é palavra que o Senhor não falou; com soberba a falou aquele profeta; não tenhas temor dele.” Dt 18:22

No trecho selecionado do livro de Deuteronômio,  Moisés declara uma regra para que um profeta seja levado a sério: o que ele proferisse deveria se cumprir. Caso contrário, aquele profeta não era digno de crédito. Moisés ainda alerta para um pecado perigoso entre os profetas: a soberba! Talvez o fato de falar em nome de Deus, e de liderar pessoas, leve alguns homens a se colocarem em patamar superior, louvando a si mesmo em lugar de louvar a Deus.  Este é um dos perigos de se tornar alguém influente no meio cristão. Ser profeta não é fácil.

Notem que esta relação de falar/acontecer nos parece clara, mas deixa em aberto um problema levemente mais crônico do tipo: basta apenas prever o futuro para ser considerado um profeta? A simples adivinhação e futurologia basta para consagrar um homem como profeta do Deus Altíssimo? Esta suposição é perigosa pois, afastados outros critérios de seleção, qualquer adivinho, sendo ele charlatão ou não, poderia ser considerado alguém que fala em nome de Deus. Então, como saberemos se aquele profeta é digno de ser ouvido?

O próprio Moisés nos responde:

“Quando profeta ou sonhador de sonhos se levantar no meio de ti, e te der um sinal ou prodígio, E suceder o tal sinal ou prodígio, de que te houver falado, dizendo: Vamos após outros deuses, que não conheceste, e sirvamo-los; Não ouvirás as palavras daquele profeta ou sonhador de sonhos; porquanto o Senhor vosso Deus vos prova, para saber se amais o Senhor vosso Deus com todo o vosso coração, e com toda a vossa alma.” Dt 13:1-3

Notem como um profeta precisa de dois passos para ter crédito. Primeiro, deve acertar previsões, e segundo, deve conduzir seus ouvintes sempre ao serviço do Deus verdadeiro. A primeira parte é mais simples, basta aguardar o desenrolar dos fatos para constatar a veracidade. Mas o segundo envolve mais responsabilidade. Envolve conhecer Deus e distinguir se o profeta fala ou não a respeito Dele. E neste caso, muito claramente, precisamos conhecer a Deus. Precisamos saber se o profeta à quem damos crédito está nos conduzindo para o caminho da verdade.

No tempo de Moisés, os profetas eram os homens encarregados de trazer a palavra de Deus. Acredito que o dom de profecia ainda seja um dom ativo dentro do corpo de Cristo. Acredito que líderes, pastores e palestrantes possam sim trazer uma palavra de Deus para suas comunidades. Mas também acredito que este dom carece de muita disciplina e muito cuidado em sua utilização e interpretação.

Você já colocou o profeta à quem você escuta nestes filtros?

Se não conhecemos a Deus, não adianta termos profetas, pois não saberemos distinguir os falsos dos verdadeiros. Primeiro, conheça a Deus e aos seus mandamentos, para depois julgar os ditos “profetas” que insistem em prever seus caminhos e traçar seus passos e ações.  Não terceirize sua relação com Deus.  Escute-O em seu coração,  e saberá escolher à quem você deve escutar.

“Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos.” Mt 24:24

Boa Noite Deus

Uma parte muito importante do ministério de Cristo em minha vida são os grupinhos de estudo bíblico que eu participo. E eu tenho dois deles! No começo, logo quando montamos os grupinhos, os integrantes eram todos cristãos, mas com muito pouco contato com a bíblia e muito sem intimidade com a oração. Junto com minha esposa, decidi que seria muito interessante orar no começo de cada reunião. Desta forma, poderíamos todos orar juntos, praticando esta importante disciplina espiritual. Cada um faz um pedido, e um outro alguém ora.

No começo, a dificuldade era bem maior. Notávamos como as palavras saiam com dificuldade, como a vergonha de orar em público deixava as pessoas nervosas, e até a forma de se dirigir a Deus parecia vacilante. Com o tempo, as orações foram ganhando corpo e forma, o conteúdo foi ficando mais denso e completo e a intimidade com Deus crescia semana após semana.

Foi quando eu notei que todos os participantes, sempre ao começar a oração, saudam Deus de uma forma muito peculiar. Eles dizem: “Boa noite Deus”, ou “Boa noite Pai”, e depois fazem suas preces. E sabem o que é mais legal? É que eu tenho este mesmo costume. Sempre digo bom dia, boa tarde e boa noite pra Deus.  Foi assim que notei que meu grupinho acabou aprendendo a orar comigo. Eles me observavam falando com Deus, e tomavam aquilo como uma forma aceitável de se dirigir ao nosso Pai.

Assim como um pai se orgulha de ensinar algo de bom para seus filhos, da mesma forma me senti muito orgulhoso de “meus filhos”, orando da forma como eu lhes ensinei pelo simples exemplo. Isso me trouxe alegria, mas também trouxe muita responsabilidade. Talvez a forma como eu me relaciono com Deus sirva de espelho para todos que estudam a bíblia nos grupos.

Isso acontece com todos os cristãos. Muita gente ao nosso redor nos observa, tentando entender a que Deus nós servimos. Nestas ocasiões, nossa vida tem que espelhar o brilho de Deus. O exemplo é uma linda forma de se evangelizar sem palavras.

Experimente fazer isto com sua vida! Vale muito a pena ver os “filhos” caminharem com passos firmes.

Um abraço!

O Homem da Bicicleta

Vinte minutos de autoridade. Era este o objetivo. Precisávamos dar ao palestrante a chance de falar de Cristo para 250 pessoas, durante vinte minutos,  da forma mais direta e simples possível. Corações precisavam ser tocados. Vidas precisavam ser transformadas. Vinte minutos.

Para estes vinte, outros dois mil minutos foram gastos em preparação. Levamos um campeão mineiro de motocross até o local do evento, onde ele traçou a rota e cronometrou o tempo. Fizemos um mapa do traçado. Definimos pontos de controle, equipes de apoio, transporte até o local. Separamos as equipes.  Era preciso levar frutas geladas para o meio do circuito, entre árvores, caminhos de terra, buracos e eucaliptos. Muitos eucaliptos! Depois, precisávamos instruir os fiscais de prova, preparar os pontos de apoio e de controle.

Sobre as equipes, eram mistas. Cristãos convidavam amigos para participar de um trekking. Duas horas de caminhada seguidas por um almoço com churrasco. Clima muito familiar, agradável. Um domingo de sol. E calor. Muito calor!

O Trekking foi conforme planejado! As equipes se divertiram. O clima era o melhor possível.  O almoço decorreu da forma como esperávamos.  Todos pareciam satisfeitos em estar passando um ótimo tempo ao lado dos amigos e da família em uma bela fazenda.

Faltando 1 hora para a palestra, um sinal de alerta. Devido ao grande calor, o consumo de água foi muito maior do que havíamos planejado. Nosso estoque estava no fim. Era preciso buscar mais! O problema era a logística: era um domingo a tarde, em um local rural, afastado de grandes distribuidoras e grandes supermercados pelo menos 45km.  Mas havia uma chance: um pequeno depósito de bebidas  em um povoado próximo.

Uma pequena equipe de dois homens partiu para o circuito mais importante daquele dia: buscar água.  O clima não seria ideal se bem na hora da mensagem as pessoas estivessem com sede. Isso poderia afetar o humor do público. Quem presta atenção em alguém falando quando se está com sede?

Ao chegar ao local indicado, estes dois homens notaram que a distribuidora estava fechada. Ao lado dela, uma pequena padaria. Seria a solução? Talvez. Mas nem de longe tinham os 80 litros de água que precisávamos.  Tinham apenas os 300 copos descartáveis que também precisávamos. A notícia aterradora foi dada pela mulher do caixa: “infelizmente, só vão achar água longe.”  Longe o bastante para não voltar a tempo e deixar 250 pessoas com sede em um domingo de sol forte. Não era uma opção.

Foi então que aconteceu. E foi simples. Sem alardes. Sem luzes, nem cameras para filmar.  Um homem de bicicleta veio passando pela rua, bem em frente ao local onde estavam os dois homens. A mulher do caixa apontou e disse: “olhem, este cara de bicicleta é o dono da distribuidora!”  Logo, o ilógico aconteceu. O homem da bicicleta atendeu ao suplicante pedido dos outros dois homens. Ouvindo o pedido, deu meia-volta, desceu de sua bicicleta, e nos vendeu os 80 litros de água que precisávamos.  Dois minutos a  mais, ou a menos, e não teríamos água. Tudo cooperou para que o dono  estivesse passando em frente da distribuidora no momento exato em que buscavam por sua mercadoria. Calculem as chances matemáticas disto e me contem quantas vezes isso pode voltar a acontecer.

Os dois homens voltaram para o evento. Descarregaram e serviram a água.  O público, que se divertia e já se assentava para ouvir a palestra, nem percebeu o que se sucedeu.  Por todo lado, copinhos e garrafinhas de água eram distribuidos, de mão em mão. Grande procura! Grande calor.

A Água Viva veio depois, em uma palestra bem administrada e bem proferida. Rostos atentos procuravam matar um tipo de sede que só Ele pode aplacar. A sede da alma não pode ser curada por 80 litros de água. E era por isso que estávamos lá. Todos pelos vinte minutos. Todo o trabalho, todos os outros dois mil minutos. Tudo pelos vinte.

Ele é grandioso. É incalculável. É perfeito. A programação sempre foi Dele. E como disse um amigo, se Ele não deixou faltar vinho em um casamento, não deixaria faltar água no nosso trekking. Afinal de contas, ele é suficiente e bastante para aplacar toda e qualquer sede de nossa vida. Seja ela física ou espiritual.

Eu era um destes homens que foi buscar água. Eu presenciei um milagre simples e poderoso, em um domingo a tarde, em uma rua pacata e vazia.

Eu posso afirmar que Jesus tem estado lá em todas as vezes que procuro por suas fontes. E isso me constrange, me surpreende e me emociona, de uma forma que não posso descrever em palavras.

Ele sempre estará no controle, pois como eu disse alí atrás, a obra é Dele.  E se voce está com sede, já sabe onde pode procurar por água. Para Ele, não existem portas fechadas. 

Um abraço!