Aprendendo com os êxodos

Êxodo quer dizer passagem, saída. Se partimos a palavra obtemos  ‘caminho para fora’.

Deus ensinava o povo por Ele escolhido sobre as cerimônias, os sacrifícios e o proceder dos sacerdotes. Tudo deveria ser muito puro, consagrado. Não só as vestes, mas cada detalhe da cerimônia. Daí sua predominante santidade. E então a promessa, dizia que deveriam se encontrar com Ele bem ali, através das gerações, à porta da tenda da congregação.

“E ali virei aos filhos de Israel para que por minha glória sejam santificados. (…) E habitarei no meio dos filhos de Israel e lhes serei por Deus, e saberão que eu sou o SENHOR, seu Deus, que os tenho tirado da terra do Egito, para habitar no meio deles; eu, o Senhor, seu Deus.” (Ex. 29:43,45/46)

mar vermelhoTudo parecia correr muito bem, até que a sensação de abandono invadiu os corações hebreus. -Moisés tarda em descer do monte, diziam. Largaram a confinça no EU SOU – o Único Deus – depositaram-na em um animal feito de ouro. “Estes são seus deuses, ó Israel, que te tiraram da terra do Egito” (Ex. 32:4), afirmou Aarão.

Há determinadas coisas que só aprendemos na ‘passagem’. A cada passagem, uma transformação. As lições vêm quando fazemos o ‘caminho para fora’, de um determinado contexto esquecido para o encontro sereno com o próprio Deus.

Retomando o primeiro trecho de êxodo. Como Deus habitará no nosso meio? Como seremos santificados pela glória dEle? Quando Ele promoteu ao povo hebreu que saberiam que Ele é o Senhor, seu Deus, é como se dissesse “(…) farei diante de todo o teu povo maravilhas que nunca foram feitas em toda a terra, nem entre gente alguma; de maneira que todo este povo, em cujo meio tu estás, veja a obra do SENHOR (…)” (Ex.34:10)

Em seguida, nos é apresentada a condição. “As primícias dos primeiros frutos da tua terra TRARÁS à casa do Senhor, teu Deus” (Ex.34:26). Sim, Ele fará as prometidas maravilhas, veremos Sua obra, se entregarmos as nossas prímicias para Deus. Em primeiro lugar dê a Ele, mas essa lógica não vem por merecimento. É que oferecendo o nosso melhor para Deus não há como estar distante dEle, por isso é que vê milagres quem serve.

Há determinadas coisas que só aprendemos na ‘passagem’, que aprendemos apenas quando tomamos o ‘caminho para fora’. Aquele que deixa a escravidão e encontra o prometido descanso no Pai.

Gabriel Lazarotti

Sobre Gabriel Lazarotti

Redimido pelo amor de Deus. Discípulo de Jesus que segue por este Caminho. Um sincero apreciador da criação. Pretenso poeta todo o tempo, advogado e músico nas horas vagas.

6 comentários sobre “Aprendendo com os êxodos

  1. Ou denovoo..mto doido o post,pelo que entendi,quanto mais investimos em algo ou em alguém ,mais damos valor a eles e isso é mto doido ;é uma consequência desses investimentos a nossa aproximação de Deus!Gostei mto mesm!

  2. Gab, vou ser sincera…
    Estou aqui, enquanto você dorme…
    O dicionário está no seu quarto; não quero acordá-lo…
    E não sei o que vem a ser primícias…
    Bem…
    Pela continuação do parágrafo, acho que deve ser o meu melhor que devo oferecer a Deus…
    Mas como vou saber se o que eu acho que é o meu melhor e que deverei ofertar a Deus é também o melhor que Deus acha que consigo ser diante das outras pessoas e do mundo?
    Se Ele estiver feliz com as minhas atitudes, então vou estar tão pertinho dEle que vou ver milagres em minha vida…. Mas o que são os milagres da vida???

  3. Boa Gabriel, o caminho para fora sempre traz a necessidade de uma ruptura com o passado e uma esperança do futuro nas mãos de nosso amado Pai!
    Abraço

  4. Ei Carla,

    Vou tentar responder suas perguntas! Bom, primícias, é sinônimo de “primeiros”. No caso da passagem que o Gabriel citou, seria ofertar a primeira colheita de uma plantação ou a primeira criação de uma ovelha/vaca para Deus.

    Trazendo para nossa vida hoje, creio que seria o mesmo que você deduziu: entregarmos a Deus o que consideramos “primeiro” ou “melhor” em nossas vidas – aquilo que damos muita importância.

    Mas, no nosso caso, entregarmos algo a Deus, não é necessariamente ofertar algo físico, como, por exemplo, um bem material a uma igreja. É muito mais uma atitude de espírito. Por exemplo, minha mãe, meu Pai e a Carlinha são muito muito muito importantes para mim. Então, entendo que devo entregar eles nas mãos de Deus, como oferta, pois fazendo isso eu mostro a Deus minha submissão a sua vontade e também me resguardo do risco de tornar essas pessoas como “deuses” da minha vida…

    Não sei se estou sendo claro! Qualquer coisa é só perguntar…

    Bom, chegando na sua outra pergunta: só você sabe quais são as prímicias de sua vida. Talvez seja o Gabriel e a Giulia, talvez seja seu emprego, talvez seja a dona Ruth e seu Oswaldo, talvez seja sua casa, talvez seja sua imagem… Enfim, isso é algo entre você e Deus e creio que você vai sentir a resposta Dele te dizendo que você entregou a coisa certa através da PAZ de espírito. É uma paz indescritível que sentimos quando entregamos o que nos é mais importante a Deus… Apesar de que a entrega é um tanto quanto difícil, pois você estará abdicando de todos os direitos que você pensa ter sobre o objeto de entrega…

    Quantos aos milagres da vida, creio que a resposta da sua pergunta esteja na vida de Jesus. Na bíblia estão descritos muito milagres que ele fez. Mas creio que “o milagre da vida” é a transformação que ele pode exercer em nossa vida. Ele, literalmente, nos transforma de água em vinho. Ele primeiro nos dá a chance de nos reencontrar com Deus – só Jesus pode fazer isso. E depois, como consequência a esse encontro, temos a chance de ser como Deus originalmente tinha nos projetado!

    Na minha vida, foi fantástica essa transformação. Fui do total individualismo para uma pessoa que ve o amor como ponto central da vida (como você deve estar vendo nos meu posts…).

    Para finalizar, te recomendo o livro “A Cabana” que estava fazendo bastante sucesso a uns 6 meses atrás. Esse livro é um romancezinho que ilustra bem todo esse processo de reencontro, entrega e transformação. Eu tenho ele aqui, se você quiser posso te emprestar…

    Bom, acho que é isso… Não sei se me fiz claro, mas qualquer coisa é só perguntar! E comente mais aqui no blog, Carla, é sempre um prazer! 😀

    Gabriel, belo post!

  5. Gabana, achei mto legal (mesmo!) o penúltimo parágrafo! Acho que vc conseguiu conciliar idéias que parecem ser contraditórias mas não o são, que é da necessidade de se entregar a Deus sem abandonar a graça e entrar num esquema de troca.

    “Em seguida, nos é apresentada a condição. “As primícias dos primeiros frutos da tua terra TRARÁS à casa do Senhor, teu Deus” (Ex.34:26). Sim, Ele fará as prometidas maravilhas, veremos Sua obra, se entregarmos as nossas prímicias para Deus. Em primeiro lugar dê a Ele, mas essa lógica não vem por merecimento. É que oferecendo o nosso melhor para Deus não há como estar distante dEle, por isso é que vê milagres quem serve.”

    Mto legal a idéia do post! É importante manter o foco nos momentos de transição da nossa vida (que na verdade ocorrem constantemente, né?)…

    Carla, creio que essas primícias são as coisas que você tem, que você é, as suas características, dons e habilidades. Deus quer que “entreguemos” essas coisas pra ele (que na verdade são dele, né? a gente só tá tomando conta hehe) para que ele possa usar da melhor forma possível. Se manter aberto para ver a vontade dele na nossa vida. Assim veremos pequenos milagres, a mão de Deus agindo de forma simples porém poderosa no nosso dia-a-dia! E com certeza Ele quer que vivamos esses pequenos milagres, mas também os grandes que podem advir!

    bjos!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *