Aonde estou indo mesmo?!

Foi o que mais me perguntei na missa da Gabriela, citada no post anterior. Foi uma missa extraordinária. Fiquei muitíssimo impressionado principalmente com o que a mãe dela disse, consolando-nos todos com a esperança da ressurreição. Foi fantástico e muitíssimo poderoso. A Gabi foi uma pessoa muito especial, o padre leu uns trechos de um diário espiritual que ela tinha, conversando de forma natural e poética com Deus.

Ontem certamente foi “melhor ir a uma casa onde há luto do que a uma casa em festa” pois quando deparamos com a realidade da morte lembramos que ela “é o destino de todos; os vivos devem levar isso a sério”. Ontem questionei-me quanto a uma série de coisas e me vi como uma pessoa extremamente egoísta.  Quantas vezes quero fazer o bem muito para ser notado com uma pessoa boa, ou mesmo ter razão nas conversas. Ser cristão muitas vezes me leva a correr em uma direção pensando ir a outra, como os fariseus que esqueciam de ser piedosos devido a seu “altíssimo padrão de justiça” – pf.

A Gabriela foi muito exaltada como uma pessoa que fazia a diferença, uma sonhadora, uma pessoa próxima de Deus. Não que devamos buscar a fama de boas pessoas como um fim em si mesmo – como hoje me vejo fazendo – mas como você será lembrado?

Hoje acordei diferente. Não queria que aqueles pensamentos me escapassem então separei a manhã para refletir, orar e ler. Meu objetivo era marcar na memória a experiência para que eu pudesse realmente usufruir de transformação. Não é fácil, com a correria e a enorme carga de informações que temos a cada hora desta chamada Era da Informação. Lembro-me da minha prima que diz “muita informação é informação nenhuma” pois, perdidos no meio de nossa enorme base de dados, temos menor poder de tomada de decisão.

Twitter, google, orkut, facebook, rádio, músicas, notícias, jornal, revistas, aulas, telefonemas, conversas; quanta informação! Será que não estamos deixando o principal se perder no meio de tanta papelada? A longo prazo, será que isso não nos leva a seguir caminhos contrários dos quais gostaríamos?

5 comentários sobre “Aonde estou indo mesmo?!

  1. É sempre bom refletir para onde estamos indo… Ainda mais por estarmos mergulhados na era da informação, como você lembrou bem, Vidiga’s…

    Grande abraço!!!

  2. Que post bonito, vidigal! Realmente, isso pode parecer loucura para nós, mas faz muito melhor mesmo em visitar a casa em luto e lembrar que nossa existência aqui é como neblina. Acho que somos bem-aventurados se conseguimos usar essas situações para analisar nosso caminho com Jesus.

  3. Muito forte, Vidigas! (Li o post com a mão no coração as you read J. Powell)

    Fico muito feliz por vc estar se questionando e pensando sobre coisas tão profundas! Achei muito joia suas colocações e reflexões, é ainda melhor ver que vc tem colocado em prática e poder usufruir dessas transformações com vc.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *