Regra e Relacionamento

“Mas é possível limpar o rosto com o mesmo espelho que mostra como você está sujo? – Perguntou Sarayu” (A Cabana, pág. 189)

 

Em leitura recente de A Cabana, me deparei com uma parte bastante interessante do livro, em que a Trindade (Deus, Jesus e o Espírito Santo), em uma conversa com um homem chamado Mack, questionam-no sobre os 10 mandamentos. O livro, obviamente, é uma ficção, mas pode nos trazer diversas reflexões interessantes, como essa que gostaria de propor.

No livro, “Deus” questiona o que Mack pensa sobre os 10 mandamentos e as regrinhas que existem (fazer boas obras, ir à igreja, ler a bíblia etc), que nos “levam a Deus”. Mack segue o senso comum e diz que essas regras existem para que as pessoas sigam e fiquem próximas de Deus. Mas será que é isso mesmo? No livro, “Deus” diz que, na verdade, essas regrinhas não têm a função direta de nos tornar justos perante Deus, mas pelo contrário, têm o objetivo de mostrar o quão pecadores e limitados somos. Daí a frase de abertura: não é cumprindo nenhuma dessas regras que vamos chegar até Deus, não importa quão boa seja a nossa intenção, pois essa não é a função das “regras”.

O que nos faz chegar até Ele é o próprio Jesus, aquele que sim conseguiu cumprir todas as “regrinhas” propostas, não falhou em nenhum aspecto da lei e foi completamente irrepreensível. Só um relacionamento com esse cara é capaz de nos levar até Deus, não o seguir uma regrinha.

Catedral de Brasília
Catedral de Brasília

Isso me faz questionar a minha própria vida: até quando eu como cristã tenho vivido mais por regrinhas (ir à igreja, ler a bíblia, buscar não pecar, fazer caridade etc) e menos por relacionamento com aquele que me criou? Assim, deixamos de ganhar tudo e nos contentamos com muito pouco. A vida por regrinhas é vazia e sem sentido, além de ser hipócrita. Eu não quero ser hipócrita, pregar algo que eu não vivo. Não quero que o “falar é diferente do agir” seja uma verdade na minha vida. E isso depende de cada um de nós.

É fé, é relacionamento, não é regra. “Porquanto pela observância da lei nenhum homem será justificado diante dele, porque a lei se limita a dar o conhecimento do pecado” (Rm 3:20)

ana.oliveira

Sobre ana.oliveira

Ana Luíza, 21, é filha única e já fez intercâmbio. Atualmente estuda Economia na UFMG e é bolsista da Associação Democracia Ativa (dispondo de muita fofoca política pra contar ;]). Adora ler, viajar e aprender línguas. Participa de Alvo da Mocidade desde 2001, estando atualmente na Comunidade. É cristã e simpatiza com o marxismo.

7 comentários sobre “Regra e Relacionamento

  1. Boa, Ana! Tava mó sonhando em postar alguma coisa sobre A Cabana. Legal que vc fez isso, me motivou. O livro é fascinante. Traz mta coisa nova. Essa parte eu achei doida, não sei é correto, mas para o cristão serve pra gente não voltar pra coisas rudimentares. Regras, leis, etc, caindo da graça, passando à lei. Para o que ainda não se reconciliou com Deus, entender que Jesus já fez tudo por nós.

  2. Ei Gabana! Então agora vc tem q fazer um post sobre A Cabana! 😀 (até rimou hehe)
    Tem muita coisa legal lá (e olha que eu nem terminei de ler ainda, tem 1 mês que eu tô lendo a ritmo de tartaruga!).
    Mas achei essa idéia muito legal pra minha vida, me fez pensar em algumas coisas… E essa questão da lei é muito perigosa, pq é muito mais fácil viver por lei que por fé, mas com certeza não é o melhor pra nossa vida…
    Bjo!

  3. Adorei o post sobre “A Cabana”.
    O livro é incrível e tem várias idéias legais para serem discutidas.
    Saudade de vc Ana Lu..
    Beijao

  4. Ei Gabi!
    Que bom que vc gostou! Terminei o livro ontem à noite…
    Volto essa sexta-feira pra BH, vamos encontrar no fim de semana? Agora vc não tem desculpas furadas de prova hehe
    bjos!

  5. Pingback: O que pode???

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *