À flor da pele

Lembro-me como se fosse ontem: uma quinta-feira, um local propício, uma sensação indescritível. Era o primeiro amor do Espírito Santo e de ser cristão que chegava à minha vida. Uma mistura de sentimentos de terror pelo desconhecido e de liberdade pelo novo. A única certeza naquele dia era de que a vida jamais seria a mesma. E não foi. Neste esforço um tanto quanto idiota de tentar descrever o que foi feito apenas para ser sentido, encontrei uma música de que gosto muito do Chico Buarque chamada à flor da pele.

O que será que me dá
Que me bole por dentro, será que me dá
Que brota à flor da pele, será que me dá
E que me sobe às faces e me faz corar
E que me salta aos olhos a me atraiçoar
E que me aperta o peito e me faz confessar
O que não tem mais jeito de dissimular
E que nem é direito ninguém recusar
E que me faz mendigo, me faz implorar
O que não tem medida, nem nunca terá
O que não tem remédio, nem nunca terá
O que não tem receita

O que será que será
Que dá dentro da gente e que não devia
Que desacata a gente, que é revelia
Que é feito uma aguardente que não sacia
Que é feito estar doente de uma folia
Que nem dez mandamentos vão conciliar
Nem todos os ungüentos vão aliviar
Nem todos os quebrantos, toda alquimia
Que nem todos os santos, será que será
O que não tem descanso, nem nunca terá
O que não tem cansaço, nem nunca terá
O que não tem limite

O que será que me dá
Que me queima por dentro, será que me dá
Que me perturba o sono, será que me dá
Que todos os ardores me vêm atiçar
Que todos os tremores me vêm agitar
E todos os suores me vêm encharcar
E todos os meus nervos estão a rogar
E todos os meus órgãos estão a clamar
E uma aflição medonha me faz suplicar
O que não tem vergonha, nem nunca terá
O que não tem governo, nem nunca terá
O que não tem juízo

O Que Será (à Flor da Pele) – Chico Buarque de Holanda

 

Esta sensação parecida com a paixão descrita na música não é percebida da mesma forma por todos os cristãos. Se você ainda não sabe se é cristão ou não, ou tem certeza de que não é, deixo aqui esta mensagem e o convite para que viva essa experiência. As palavras jamais conterão aquele que a tudo contém, ainda assim a descrição acima é uma representação no campo dos sentidos físicos daquilo que pude experimentar quando decidi viver com Cristo.

Se você tem certeza de que é cristão deixo um pouco do meu desejo em relação a mim mesmo: de que esta não seja apenas uma experiência de um dia, uma semana em um acampamento marcante, ou qualquer fase de vida. Quero para você o que quero para mim – viver dia-a-dia a experiência à flor da pele de seguir os passos de Jesus Cristo.

Forte abraço!

 

Rafael Santtos

Sobre Rafael Santtos

Rafael Santos, Belo Horizonte, 18 de abril de 1984, cristão desde 2012, sonhador, aventureiro, sanguíneo, exortador. E deseja dividir um pouco do que pensa através do Outras Fronteiras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *