A divina Providência

O início do capítulo 22 de Genêsis não deixa dúvidas: “Deus pôs Abraão à prova”.

Eu certamente sucumbiria face a tamanha prova. Qual é o sentimento que o Abraão carregava no peito ao subir o Monte Moriá com o propósito de sacrificar o seu único filho? Não consigo imaginar. Era o seu o filho amado, o filho da promessa…

Leia a história e você perceberá que toda ela é permeada de obediência. Abraão respondeu o chamado do Senhor com o famoso “eis me aqui” e nem mesmo na sequência da narrativa percebemos qualquer hesitação desse herói da fé. Ele cerrou os dentes, trancou as lágrimas, engoliu a seco e partiu para uma longa jornada até a morte do filho Isaque.

Abraão respondeu à pergunta do filho a respeito do cordeiro para o holocausto afirmando: “Deus mesmo há de prover“. Em seguida, Isaque, também obediente, foi amarrado e colocado em cima da lenha sem dar sequer um grunhido. Mesmo diante da faca que vinha da mão de seu pai em sua direção, Isaque permaneceu em silêncio obediente.

Deus gosta das provas. A prova não é nem tanto para revelar sobre o caráter de Deus, mas é certamente reveladora do caráter do provado. Abraão obedeceu, não negou o seu filho, e por esse motivo Deus disse que o abençoaria.

Esse capítulo do livro sobre as origens é muito similar ao que diz o capítulo 13 do livro primeiro do Imitação de Cristo, obra clássica da espiritualidade cristã. Lá acentua Tomás de Kempis: “alguns são tentados levemente, segundo a sabedoria da divina Providência, que pondera as circunstâncias e o merecimento dos homens, e tudo predispõe para a salvação de seus eleitos.”

Eu fico me perguntando se o Kempis não confundiu aqui os conceitos de tentação e provação, uma vez que de Deus não se origina o pecado. Há quem diga, entretanto, que hipercalvinistas defendem ser o próprio Deus o autor do mal.

Certo mesmo é que tanto provas quanto tentações são utilíssimas porque nos humilham, purificam e instruem. Enquanto caminhamos com dor no peito em direção ao Moriá, o Senhor fala conosco e transforma o nosso caráter. C. S. Lewis nos advertiu de que o sofrimento era o megafone de Deus para se comunicar com o humano. Vai ver é isso mesmo.

Não importa qual é a carência, a dor, a provação e a tentação, porque o Senhor proverá, assim como exclamou Abraão.

Prover. Por à disposição os recursos necessários. Providenciar.

A divina Providência.

Gabriel Lazarotti

Sobre Gabriel Lazarotti

Redimido pelo amor de Deus. Discípulo de Jesus que segue por este Caminho. Um sincero apreciador da criação. Pretenso poeta todo o tempo, advogado e músico nas horas vagas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *