filacterio

666

Vivemos em um mundo onde existem, em vários tipos de segmentos, a tentativa de copiar. Para tudo temos um “genérico”. substituir o original por algo “tipo” o original. João alerta para esse risco no seio da Igreja. Um inimigo interno, retratado metaforicamente no texto de apocalipse:

“Então vi outra besta que saía da terra, com dois chifres como cordeiro, mas que falava como dragão…

…E realizava grandes sinais, chegando a fazer descer fogo do céu à terra, à vista dos homens…

…Também obrigou todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, a receberem certa marca na mão direita ou na testa,
para que ninguém pudesse comprar nem vender, a não ser quem tivesse a marca, que é o nome da besta ou o número do seu nome.

Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, pois é número de homem. Seu número é seiscentos e sessenta e seis. ”

(Apocalipse 13:11,13,16-18)

Uma besta como um cordeiro, mas com voz de dragão! O inimigo rivalizando com o verdadeiro cordeiro – Cristo. Tentando atrair a atenção, a adoração, praticando sinais e comercializando a fé! Deixando sua marca na vida das pessoas.

O judeu era conhecido por zelar muito por um texto básico de fé, chamado “Shemá” (“ouça o Israel”), era uma confissão de fé. O texto é do livro de Deuteronômio:

“Ouça, ó Israel: O Senhor, o nosso Deus, é o único Senhor.
Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todas as suas forças.
Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração.
Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar.
Amarre-as como um sinal nos braços e prenda-as na testa.”
Deuteronômio 6:4-8

Ame a Deus como o único Senhor!!! É a confissão básica do Judeu! Era um texto tão importante que, no verso 8, é pedido para que eles amarrem um pequeno pergaminho da confissão em umas cápsulas (chamadas filactérios) e colocassem na testa e braço/mão. Essa era a marca do judeu!!!

 

A marca da besta é uma tripla tentativa de ser perfeita (666 ao invés de 777 – número da perfeição divina para um judeu), ela deixa sua marca naqueles que deixam de olhar e se relacionar com o único cordeiro verdadeiro – Cristo! E passam a ter como marca a adoração de si mesmo ou de outros deuses genéricos. Mercantilizam a fé, amedrontam seus seguidores e tudo na base do engano!

O que você tem carregado em sua testa e em sua mão? qual é sua confissão de fé? Com que cordeiro você se relaciona?

O cristão também tem a sua marca! Amor! Amor ao Deus único e verdadeiro que nos leva ao amor ao próximo! É isso que ele leva para todo lado, como um “pequeno Cristo”!

Que possamos seguir atentos à pureza do Evangelho, lutando contra os enganos da besta!

Abraço e até a próxima!

 

Homero Castro

Sobre Homero Castro

Nome: Homero Resende Castro Nasci em 1979 em Belém do Pará, moro em Belo Horizonte desde 1989. Sou formado em História pela Universidade Federal de Minas Gerais. Desde 1999 trabalho como missionário na associação Alvo da mocidade. Eu e minha maravilhosa esposa, Camila temos duas filhinhas lindonas, Helena e Elisa, e uma sapeca cadela chamada Leona.

8 comentários sobre “666

  1. Gostei muito do texto, principalmente nessa semana na qual a bancada evangelica, do Partido Social Cristão, quase conseguiu colocar (e acho q vai conseguir) o pastor Marco Feliciano na comissão de direitos humanos. ( por favor vejam o video http://oglobo.globo.com/pais/video-mostra-pastor-marco-feliciano-pedindo-senha-do-cartao-de-fiel-7765065 se conseguirem, eu confesso que não consegui assistir até o fim)

    Quando vejo claramente um movimento anti-cristao mundial crescente tendo a crer que estamos sendo perseguidos pelo mundo e isso é algo normal e já nos adiantado por Jesus. Mas quando vejo alguns representantes do cristianismo, aqueles que tem destaque e poder na sociedade, como é o caso desse pastor, acho que o mundo tem sua dose de razão. E que não era essa perseguição que Jesus estava se referindo.

    Sinto que nós cristãos, temos que nos posicionar mais na sociedade e mostrar que não compactuamos com atitudes de outros “irmãos”, é preciso nos colocarmos para tentarmos mostrarmos ao mundo que há diferenças sim entre crenças cristãs.

    É um assunto polêmico, pois consideramos todos irmãos em cristo, onde o espirito santo pode agir, e eu acredito nisso, mas já é hora de pararmos de termos medo de nos posicionarmos contra outros cristãos que estão a manchar o nome no cristianismo em suas atitudes.

    Ou vamos deixar entrar para a Comissão de direitos humanos um cristão que diz “- É a última vez que eu falo. Samuel de Souza doou o cartão, mas não doou a senha. Aí não vale. Depois vai pedir o milagre pra Deus e Deus não vai dar e vai falar que Deus é ruim.” Sem contar todo o histórico de discurso segregador e preconceituoso do pastor

    Ou vamos ficar na superfície do cristão ignorante que pensa que será ótimo ter um cristão (na denominação mais genérica possível) no poder….

    Desculpe se fugi um pouco do post, mas a minha reflexão dessa semana estava muito voltada para essa questão e ao meu ver o post me auxiliou a pensar nessas ideias…

    (até mandei um tweet perguntando pro ed rene sobre essa questão, se ele não iria se posicionar pq nao consegui ver nada dele sobre isso)

  2. Agora seu comentário no post do Bernardo “Prisioneiro de Cristo” ficou ainda mais claro!

    O homem gosta de genéricos. O importante é se agrada aos atores, se é conveniente – hipocrisia. Inclusive na igreja! Afinal, o post está enfocando um problema interno não é verdade? Inclusive quando olhamos à nossa volta parece mesmo que as igrejas gostaram de ser genéricas. Não se busca a verdade, mas apropria-se à sua maneira. E depois ainda querem receber por direitos de “copyright”! Devemos lembrar quem é o Dono/Senhor de tudo. Precisamos voltar às bases do evangelho! Voltemos a Dt 6:4-8. Vou destacar uma parte do trecho que é pouco observada: “Converse sobre elas quando estiver sentado em casa, quando estiver andando pelo caminho, quando se deitar e quando se levantar.”

    “Que possamos seguir atentos à pureza do Evangelho, lutando contra os enganos da besta!”

    O evangelho é puro. Impuros somos nós. Voltemos à pureza do evangelho COM TODA ATENÇÃO. Senão vamos acabar levando genéricos!

  3. “É um assunto polêmico, pois consideramos todos irmãos em cristo, onde o espirito santo pode agir, e eu acredito nisso, mas já é hora de pararmos de termos medo de nos posicionarmos contra outros cristãos que estão a manchar o nome no cristianismo em suas atitudes.” Extraído do comentário do Rodrigo.

    Lucas 14:1;7-12
    Aconteceu num sábado que, entrando ele em casa de um dos principais dos fariseus para comer pão, eles o estavam observando. (…) E disse aos convidados uma parábola, reparando como escolhiam os primeiros assentos, dizendo-lhes: Quando por alguém fores convidado às bodas, não te assentes no primeiro lugar; não aconteça que esteja convidado outro mais digno do que tu; E, vindo o que te convidou a ti e a ele, te diga: Dá o lugar a este; e então, com vergonha, tenhas de tomar o derradeiro lugar. Mas, quando fores convidado, vai, e assenta-te no derradeiro lugar, para que, quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, sobe mais para cima. Então terás honra diante dos que estiverem contigo à mesa. Porquanto qualquer que a si mesmo se exaltar será humilhado, e aquele que a si mesmo se humilhar será exaltado. E dizia também ao que o tinha convidado: Quando deres um jantar, ou uma ceia, não chames os teus amigos, nem os teus irmãos, nem os teus parentes, nem vizinhos ricos, para que não suceda que também eles te tornem a convidar, e te seja isso recompensado.

    Você consegue se imaginar indo na casa de um fariseu e NA CASA DELE falar o que Jesus falou? Releia a passagem e pense bem…

    Sem dúvida, Jesus “era incoveniente”! (entendam o que estou querendo dizer, por favor) Em outras palavras, ele não se preocupava em ser conveniente ou não. Ele apenas era apegado à verdade e não fugia quando sabia que tinha que fazer ou falar algo. Jesus não tinha medo de se posicionar. Por que somos tão tímidos? Talvez porque somos mais apegados ao nosso status e à forma que as pessoas vão nos ver do que à palavra de Deus!

    Importante reflexão Rodrigo! Não está fora do tema não no meu modo de ver… Acho que complementa bem a discussão!

  4. Rodrigo, sem noção esse vídeo! Qual a diferença entre esse pastor e um 171 (golpista) qualquer por aí? Muita diferença! Pois esse pastor além de 171, usa o nome de Deus em vão, ameaça pessoas com maldições, promete bençãos fraudulentas, diz que está ensinando as pessoas a desapegar e se entregar a Deus mas a verdade é que ele usa da ambição das pessoas de querer ganhar sempre mais. Não há como chamar de irmão. Para mim o nome disso é 171.

    Agora acho que temos que TOMAR MAIS CUIDADO AINDA com as sutilezas. As coisas absurdas são mais fáceis de enxergar! O problema é o pequeno problema interno, que não parece nada! Acho que o texto do Homero é a respeito, principalmente, desse aspecto. Esse sim é o mais perigoso de todos! Pois é encarado com toda a leviandade por parte de nós cristãos. Por isso digo que devemos ler a Bíblia COM TODA ATENÇÃO. Os genéricos se parecem com o original. As aparências enganam.

  5. Muito legal o texto Homero!
    É bem legal pensar que não podemos nos contentar com nada que não seja a perfeição de Deus!

    No cotidiano acabamos nos esquecendo disso! Adorei o texto, me lembrou muito a palestra que eu também gostei! =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *